Arquitetura, Dicas, Gestão, Planejamento, Recursos Humanos, Reformas, Síndicos

Arquitetura sustentável: implementando projetos sustentáveis no condomínio

dezembro 7, 2018
arquitetura sustentável
Tempo de leitura 6 min

A demanda de energia e de água no mundo cresce continuamente, e os recursos naturais aproximam-se cada vez mais do seu esgotamento. Sendo assim, mudar os hábitos atuais e buscar medidas que mitigam os impactos ambientais é uma questão de sobrevivência da sociedade.

Com o crescimento populacional, é cada vez mais comum que as pessoas vivam em condomínios, sejam eles verticais ou horizontais. Nesse contexto, a arquitetura sustentável surge para ajudar na preservação ambiental.

Neste texto, trouxemos os principais conceitos desse tipo de arquitetura, além de projetos sustentáveis que podem ser aplicados em condomínios. Acompanhe!

O que é arquitetura sustentável?

Para entender esse conceito, é preciso saber que ele está intimamente ligado com a sustentabilidade. A sustentabilidade apoia-se em três pilares: o ambiental, o econômico e o social. Isso significa que ela corrobora para um desenvolvimento econômico que se preocupe com o bem-estar populacional e que preserve e renove o capital natural para as gerações futuras.

Dessa maneira, relacionar a arquitetura com o desenvolvimento sustentável significa conciliar o conforto dos moradores com práticas sustentáveis, sem deixar a economia de lado. Isso porque os projetos sustentáveis promovem uma economia de recursos da natureza. Assim, os gastos são diminuídos também, principalmente em relação às contas de luz e de água.

Quais projetos sustentáveis podem ser feitos em um condomínio?

A arquitetura sustentável deve ser aplicada desde as etapas de construção de casas, edifícios, indústrias e comércios. Além disso, ela serve para adaptar construções já existentes por meio de projetos eficientes e benéficos.

Captação e reuso de água

O gasto de água nos condomínios é muito grande e isso se deve, em parte, à limpeza de muitas áreas, mas também ao consumo das residências. É preciso ter cuidado com o uso porque apesar de 96,5% da superfície da Terra ser coberta por água, apenas 3,5% é utilizável pelos humanos.

Dessa forma, é preciso colocar em ação medidas que otimizem o uso desse recurso, como a captação de água da chuva. Essa é uma ferramenta de economia e preservação tão relevante que já está em tramitação no Senado um projeto de lei que torna essa medida obrigatória para novas construções.

Essa captação é feita por meio de cisternas que são geralmente instaladas na cobertura do prédio. A água pluvial costuma ser aproveitada para uso comum do condomínio, como limpeza da área externa e dos salões de festa, além da irrigação de jardins e gramados. Isso é benéfico para o condomínio porque gera uma economia de até 50%.

Há ainda outros usos que exigem reestruturação da parte hidráulica e reformas, já que o fluido captado é enviado para tanques e para descargas de banheiros.

Outra medida favorável à economia de água é o reuso de água cinza, que é como é chamada a água que sai dos banhos, das torneiras sanitárias e da lavagem de roupas. Ela é armazenada em um tipo específico de cisterna, depois é tratada para remoção de resíduos e, então, reutilizada. Posteriormente, é destinada para fins não potáveis, como lavagem de calçadas e carros, aguagem de plantas e descargas de banheiros.

O impacto da água de reuso é muito benéfico, porque muito líquido é desperdiçado durante o enxague de roupas. Para se ter uma ideia, para lavar 8 quilos de roupa, as máquinas gastam em média 100 litros de água e isso serve para acionar a descarga 16 vezes.

Aquecimento solar

O uso de eletricidade para o aquecimento de água para o banho costuma ser um dos fatores que encarecem a conta de luz. Dessa forma, a instalação de um sistema de aquecimento solar tem a capacidade de contribuir com a economia de moradores de um prédio ou condomínio.

Isso é obtido com a fixação de coletores solares na cobertura dos prédios. Esses coletores consistem em painéis que acumulam o calor do sol e o transferem para os boilers onde fica a água que é aquecida. Já quente, o líquido é armazenado em reservatórios térmicos até o momento de ser usado.

Energia fotovoltaica

A produção própria de eletricidade no local onde ela é consumida é uma das medidas de economia mais eficientes e sustentáveis. Isso pode ser exemplificado pela produção de energia solar fotovoltaica.

Ela é obtida por meio da instalação dos painéis fotovoltaicos que são feitos de material semicondutor. Eles captam a luz solar e a convertem em corrente, que é usada para alimentar as funcionalidades elétricas. Como não há dependência do calor, sua eficiência ainda é garantida no inverno e em dias nublados.

Os sistemas fotovoltaicos podem contar com um banco de baterias e controladores de carga para que a energia produzida seja armazenada para ser usada em momentos em que não há luz solar, como durante a noite.

Nos condomínios, as placas solares podem ser instaladas na cobertura dos prédios ou até mesmo no estacionamento. Inicialmente, pode-se usar um projeto fotovoltaico menor que supra a demanda elétrica apenas das áreas comuns. Eventualmente, é possível expandir esse sistema, de modo que ele atenda ao consumo das residências.

As vantagens da energia fotovoltaica são evidentes para o ambiente porque, sendo essa uma forma limpa, não há emissão de gases de efeito estufa como ocorre com a geração de energia por meio de usinas termoelétricas.

O impacto da instalação de um sistema de eletricidade solar ainda é menor do que de outas fontes, como as hidroelétricas. Isso porque para a instalação de uma usina hídrica é necessário inundar áreas quilométricas, sendo necessário derrubar áreas de florestas e desabrigar famílias ribeirinhas.

Além disso, a economia com a conta de luz proporcionada é de, no mínimo, 50%, o que é um atrativo para apresentar para os condôminos.

Telhado verde

O crescimento das cidades dificulta a presença de áreas verdes nos centros urbanos. Isso faz com que o ar fique mais poluído e que as altas temperaturas estejam mais presentes nas cidades. Nesse contexto, o telhado verde é uma adição interessante para os condomínios.

Ele consiste na instalação de grama e vegetação sobre a laje dos prédios, formando, assim, um manto verde. Essa vegetação impede que o calor atmosférico se propague pela construção, diminuindo, ou até mesmo evitando, o uso do ar-condicionado.

É importante que todos esses projetos sustentáveis sejam planejados e executados por profissionais habilitados, como arquitetos e empresas especializadas para garantir o máximo de aproveitamento das ferramentas e evitar que sejam causados danos à parte arquitetônica e estrutural das construções.

Agora você já sabe o que é arquitetura sustentável e como existem projetos capazes de mudar a dinâmica econômica de um condomínio, além de favorecer a preservação ambiental. Lembre-se de que é muito importante preservar os recursos para as gerações futuras!

Gostou deste conteúdo? Então entre em contato conosco e conheça nossos serviços de arquitetura!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário