Arquitetura, Dicas, Reformas, Síndicos

Mediação de conflitos no condomínio: qual o papel do síndico?

outubro 4, 2018
Mediação de Conflito
Tempo de leitura 3 min

Muitas famílias têm optado por morar em condomínio devido às vantagens como conforto, lazer e segurança. No entanto, é fato que quando várias pessoas diferentes dividem o mesmo espaço, as divergências aparecem. Nessas situações, é fundamental que o síndico consiga fazer uma mediação de conflitos de modo que os problemas possam ser resolvidos da melhor maneira possível.

Afinal, ele deve prezar pela qualidade de vida e bem-estar de todos os moradores. Se você quer saber como solucionar essas situações de forma interessante e satisfatória para ambos os lados, continue com a leitura deste post!

O que é mediação de conflitos em condomínios?

A mediação de conflitos é uma forma de solucionar as disputas na qual uma terceira pessoa atua de forma imparcial, a fim de facilitar a comunicação entre as partes. O objetivo é fazer com que se chegue a um acordo para promover o relacionamento harmonioso.

Portanto, a intermediação é fundamental para proporcionar a convivência prazerosa e pacífica entre os condôminos. Como o síndico é o responsável pela administração, também cabe a ele fazer o papel de mediador.

Qual sua importância?

As principais reclamações estão relacionadas ao barulho, uso abusivo ou indevido das áreas comuns, animais de estimação, sujeira, garagem, entre outros. À primeira vista, podem parecer questões simples ou sem tanta importância. Entretanto, é necessário não desconsiderar tais conflitos e agir para evitar que se transformem em litígios judiciais, o que causaria um desgaste ainda maior entre as partes e no condomínio como um todo.

Qual o papel do síndico na mediação de conflitos?

Inicialmente, o síndico deve ouvir com atenção todas as demandas que chegam até ele, mesmo que num primeiro momento soem desproporcionais ou absurdas. Isso demonstra respeito, que é essencial para o sucesso da mediação. É importante não demonstrar aprovação ou desaprovação ao que está sendo solicitado.

Ou seja, é necessário tentar amenizar os ânimos desde o início, sempre com respeito, atenção igual às partes, imparcialidade e equilíbrio. Em seguida, marque uma reunião com cada um, individualmente, para salientar as razões do conflito. Caso ainda não haja sucesso, há outras alternativas:

Reunião com ambas as partes

Convoque uma reunião com os dois lados e peça que exponham seus motivos. Ao mesmo tempo, aja com imparcialidade para facilitar a comunicação entre os dois. Lembre-se de não expressar sua opinião nem julgar ou decidir. Seu papel é fazer com que cheguem a um entendimento de forma pacífica.

Reunião de condomínio

Se nem a reunião individual nem a conjunta surtirem efeitos positivos, marque uma reunião de condomínio. Às vezes, os problemas tomam proporções maiores que o esperado, envolvendo outros moradores. Em casos assim, a reunião com todos é o mais indicado.

Auxílio profissional

Se a situação não envolver outros moradores, mas não for resolvida mesmo na reunião com ambas as partes, é interessante a utilização de um mediador externo para auxiliar o síndico. O mais indicado é que seja um advogado com experiência em condomínios, visto que atuará com maior isenção e com embasamento legal para solucionar o problema.

Portanto, saber como atuar corretamente na mediação de conflitos é extremamente importante para o síndico. Proceder com respeito, atenção e neutralidade desde o início poderá evitar desgastes maiores. Com isso, os problemas condominiais tendem a diminuir, estabelecendo-se um relacionamento harmonioso e cordial entre os moradores.

Se você ficou com alguma dúvida ou tem alguma dica a acrescentar sobre mediação de conflitos, deixe um comentário abaixo. Conhecer suas ideias e opiniões é muito importante para nós!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário